18.5.08

Mulheres
Manuel Bandeira

Como as mulheres são lindas!
Inútil pensar que é do vestido...
E depois não há só as bonitas:
Há também as simpáticas.
E as feias, certas feias em cujos olhos vejo isto:
Uma menininha que é batida e pisada e nunca sai da cozinha.

Como deve ser bom gostar de uma feia!
O meu amor porém não tem bondade alguma.
É fraco! fraco!
Meu Deus, eu amo como as criancinhas...

És linda como uma história da carochinha...
E eu preciso de ti como precisava de mamãe e papai
(No tempo em que pensava que os ladrões moravam
no morro atrás de casa e tinham cara de pau).
Momento num café
Manuel Bandeira

Quando o enterro passou
Os homens que se achavam no café
Tiraram o chapéu maquinalmente
Saudavam o morto distraídos
Estavam todos voltados para a vida
Absortos na vida
Confiantes na vida

Um no entanto se descobriu num gesto largo e demorado
Olhando o esquife longamente
Este sabia que a vida é uma agitação feroz e sem finalidade
Que a vida é traição
E saudava a matéria que passava
Liberta para sempre da alma extinta.
Madrigal tão engraçadinho
Manuel Bandeira

Teresa, você é a coisa mais bonita que eu vi até hoje na minha vida, inclusive o porquinho-da-índia que me deram quando eu tinha seis anos.

Teresa
Manuel Bandeira


A primeira vez que vi Teresa
Achei que ela tinha pernas estúpidas
Achei também que a cara parecia uma perna

Quando vi Teresa de novo
Achei que os olhos eram muito mais velhos que o resto do corpo
(Os olhos nasceram e ficaram dez anos esperando que o resto do corpo nascesse)

Da terceira vez não vi mais nada
Os céus se misturaram com a terra
E o espírito de Deus voltou a se mover sobre a face das águas.

Lua de mel atrasada começa hoje. Se tudo der certo, pretendo deixar este blog sem atualização por quinze dias. Ao(s) leitor(es), adianto alguns posts. Escolhi Manuel Bandeira, uma porção dele, dos livros "Libertinagem" e "Estrela da manhã", que li ontem, encantada.
.
.
Porquinho-da-Índia
Manuel Bandeira

Quando eu tinha seis anos
Ganhei um porquinho-da-índia.
Que dor de coração me dava
Porque o bichinho só queria estar debaixo do fogão!
Levava ele pra sala
Pra os lugares mais bonitos mais limpinhos
Ele não gostava:
Queria era estar debaixo do fogão.
Não fazia caso nenhum das minhas ternurinhas...
- O meu porquinho-da-índia foi minha primeira namorada.

7.5.08

Nossos velhos
Martha Medeiros

Pais heróis e mães rainhas do lar. Passamos boa parte da nossa existência cultivando estes estereótipos.
Até que um dia o pai herói começa a passar o tempo todo sentado, resmunga baixinho e puxa uns assuntos sem pé nem cabeça. A rainha do lar começa a ter dificuldade de concluir as frases e dá prá implicar com a empregada. O que papai e mamãe fizeram para caducar de uma hora para outra? Fizeram 60, 70, 80 anos. Nossos pais envelhecem. Ninguém havia nos preparado para isso. Um belo dia eles perdem o garbo, ficam mais vulneráveis e adquirem umas manias bobas.
Estão cansados de cuidar dos outros e de servir de exemplo: agora chegou a vez de eles serem cuidados e mimados por nós, nem que para isso recorram a uma chantagenzinha emocional. Têm muita quilometragem rodada e sabem tudo, e o que não sabem eles inventam. Não fazem mais planos a longo prazo, agora dedicam-se a pequenas aventuras, como comer escondido tudo o que o médico proibiu. Estão com manchas na pele. Ficam tristes de repente. Mas não estão caducos: caducos ficam os filhos, que relutam em aceitar o ciclo da vida.
É complicado aceitar que nossos heróis e rainhas já não estão no controle da situação. Estão frágeis e um pouco esquecidos, têm este direito, mas seguimos exigindo deles a energia de uma usina.
Não admitimos suas fraquezas, seu desânimo.
Ficamos irritados se eles se atrapalham com o celular e ainda temos a cara-de-pau de corrigi-los quando usam expressões em desuso: calça de brim? frege? auto de praça?
Em vez de aceitarmos com serenidade o fato de que as pessoas adotam um ritmo mais lento com o passar dos anos, simplesmente ficamos irritados por eles terem traído nossa confiança, a confiança de que seriam indestrutíveis como os super-heróis.
Provocamos discussões inúteis e os enervamos com nossa insistência para que tudo siga como sempre foi.
Essa nossa intolerância só pode ser medo.
Medo de perdê-los, e medo de perdermos a nós mesmos, medo de também deixarmos de ser lúcidos e joviais. É uma enrascada essa tal de passagem do tempo.
Nos ensinam a tirar proveito de cada etapa da vida, mas é difícil aceitar as etapas dos outros, ainda mais quando os outros são papai e mamãe, nossos alicerces, aqueles para quem sempre podíamos voltar, e que agora estão dando sinais e que um dia irão partir sem nós.

6.5.08

Canícula
Adélia Prado

Ao meio-dia, deságua o amor,
os sonhos mais frescos e intrigantes;
estou onde estão as torrentes.
Ao redor da casa grande espaça um quintal sem cercas,
tomado de bananeiras, só bananeiras,
altas como coqueiros.
Chego e é na beira do mar encrespado de correntezas,
sorvedouros azuis.
Há um perigo sobre a faixa exígua
que é de areia e é branca.
Quero braceletes
e a companhia do macho que escolhi.

4.5.08

Tratando as meninas como se fossem lixo
Nina Lemos, do 02neurônio

“Não sei o que é direito, só vejo preconceito, e a sua roupa nova é só uma roupa nova. Você não tem idéias pra acompanhar a moda. Tratando as meninas como se fossen lixo.”Atual, não? E olha que foi escrito há uns... 22 anos! Homens misóginos, esses seres assustadores, continuam por aí. Só que na época da escola era fácil encontrá-los.
Eles eram aqueles playboys babacas que não se aproximavam da nossa turma. Era simples assim.
Mas aí a gente cresce. E acha que já aprendeu a detectar um misógino de longe. Que nada! Eles ainda estão por aí, disfarçados. Cuidado.
O cara que trata mulher como se fosse lixo pode usar uma camiseta dos Ramones. O homem que sabe mentir mega bem e jogar baixo na hora da mentira é aquele mesmo que gosta das mesmas bandas que você.
E ainda existe cara (e não estou falando de adolescente, mas de adulto) que divide garotas entre mulher para casar e conversar e mulher para comer. E sabe o que eles fazem? Chamam as mulheres que eles comem de vagabundas. Sinceramente, ficar com uma menina e depois chamá-la de vagabunda é uma coisa assustadora e muito, muito feia.
Aos primeiros sinais de misoginia, fuja. Se ele falar que “andou saindo com umas vagabundas” ... deixe de ser amiga dele imediatamente. Não dá nem para ser amiga de alguém assim. Se ele trata as minas que pega assim, você acha mesmo que ele vai te tratar bem? Nada. Um dia ele vai mentir pra você também. Te ferrar. Te deixar na mão. Sem o menor sinal de respeito ou cavelheirsmo.
Outro sinal. Veja se ele é amigo das ex-namoradas. Se for, bom sinal. Se não for amigo de nenhuma ex, esqueça.
E qual é a saída? Oras, os milhões de homens não misóginos e nada machistas que existem por aí. São muitos. São milhares. Eles aparecem toda hora. Basta ficar atenta. Para eles dedico essa croniquinha, a minha admiração, o meu respeito, o meu amor e a minha delicadeza.
... Mas às vezes felicidade é isso mesmo, um filminho, uma coca gelada.
.
Blowg. Concordo. Melhor ainda quando tem campeonato mineiro pra acompanhar.
.
E eu sou azul de nascimento.
... dentro da baleia a vida é tão mais fácil
nada incomoda o silêncio e a paz de Jonas...
.
"Mestre Jonas" - Sá, Rodrix e Guarabyra. Pra ouvir no "repeat", de novo e de novo e de novo.

2.5.08

Entrevista
Adélia Prado


Um homem do mundo me perguntou:
o que você pensa do sexo?
Uma das maravilhas da criação eu respondi.
Ele ficou atrapalhado, porque confunde as coisas
e esperava que eu dissesse maldição,
só porque antes lhe confiara:
o destino do homem é a santidade.
A mulher que me perguntou cheia de ódio:
você raspa lá? Perguntou sorrindo,
achando que assim melhor me assassinava.
Magníficos são o cálice e a vara que ele contém,
peludo ou não.
Santo, santo, santo é o amor que vem de Deus,
não porque uso luva ou navalha.
Que pode contra ele o excremento?
Mesmo a rosa, que pode a seu favor?
Se "cobre a multidão dos pecados e é benigno,
como a morte duro, como o inferno tenaz",
descansa em teu amor, que bem estás.

1.5.08

Intervalo
Fernando Pessoa

Quem te disse ao ouvido esse segredo
Que raras deusas têm escutado -
Aquele amor cheio de crença e medo
Que é verdadeiro só se é segredado?...
Quem te disse tão cedo?
Não fui eu, que te não ousei dizê-lo.
Não foi um outro, porque não sabia.
Mas quem roçou da testa teu cabelo
E te disse ao ouvido o que sentia?
Seria alguém, seria?
Ou foi só que o sonhaste e eu te o sonhei?
Foi só qualquer ciúme meu de ti
Que o supôs dito, porque o não direi,
Que o supôs feito, porque o só fingi
Em sonhos que nem sei?
Seja o que for, quem foi que levemente,
A teu ouvido vagamente atento,
Te falou desse amor em mim presente
Mas que não passa do meu pensamento
Que anseia e que não sente?
Foi um desejo que, sem corpo ou boca,
A teus ouvidos de eu sonhar-te disse
A frase eterna, imerecida e louca -
A que as deusas esperam da ledice
Com que o Olimpo se apouca.