30.10.10

Amo.

Do verbo levar e suas coreografias de calçada
Xico Sá

Levo minha menina na calçada, pelo lado de dentro, o da parede, que é o
lugar da moça no passeio público, que é o lugar que diz o status do enlace para o mais lesado dos transeuntes. do lado de fora, a bonequinha na beira do asfalto, é amizade; do outro, como na coreografia dos meus passos de fred astaire do crato , do hellcife ou das augustas: romance, namoro, amor de muito, amancebo social clube.
Levo ao cine, ao concerto de rock, ao original olinda style, à tapioca, às quiches com alface americana ou aos três acordes arroz, feijão e bife -por favor,uma farofa de ovo e uma cerveja preta, please, sim, ela ama uma banana assada, noooosa!, traga.
Não esquecer de levar também, viu, para comprar vestidos e roupas de veraneio, q prazer nada viado aquele barulhinho da cortina dos provadoresvagabundos. levo porque levar é a grande função do bicho macho contemporâneo nesses tempos de frouxidões e covardias no atacado e no varejo.
Levo de avião ou de busão, mas sempre mantendo a classe, levo, pq o resgate do cavalheiro roots está no levar a dama na riqueza ou no pé-sujo, na cachaça ou na campanhota, no free jazz ou no bolero, levar a moça, inclusive, para conhecer as nossas contradições, talvez a mó fortuna crítica dum homem.
Levar e não esquecer dos degraus e altos e baixos da cidade, donde damos uma mão como amparo e prova inconteste do amor que sobra em todos os nossos membros... inferiores, superiores, robóticos, polvos de todos os mares, trabalhando para o bem-estar, conforto e requinte da pequena.
A anda encontrando umas boas verdades.

Outras mulheres
Joyce e Paulo César Pinheiro

Meu corpo é pedra em que nascem corais, sargaços e líquen.
Que os homens todos me abracem, só quero aqueles que passem, não quero aqueles que fiquem.
Gosto, meu bem, de andar nua, me pinto feito arco-íris.
Jamais me tires da rua, porque jamais serei tua se tu não me repartires.
Senti paixão por um bando, escorreguei como os peixes.
Por isso eu peço que, quando sentires que já estou te amando, eu quero é que tu me deixes.
Sou de ceder minhas graças, não sou aquela que queres.
Pertenço ao rol das devassas, não quero que tu me faças igual às outras mulheres.

28.10.10

Eu suplico-vos
fazei qualquer coisa
aprendei um passo
uma dança
alguma coisa que vos justifique
que vos dê o direito
de vestir a vossa pele o vosso pêlo
aprendei a andar e a rir
porque será completamente estúpido
no fim
que tantos tenham sido mortos
e que vós viveis
sem nada fazer da vossa vida.

Charlotte Delbo

A uma mulher

Murilo Mendes

Não tendo podido te criar
Nem tendo sido criado por ti
Eu me vingo do destino enxertando-me no teu ser.
Jamais conseguirás te libertar de mim
Porque eu te sitiei com a chama do amor,
Porque rondei durante dias e noites o Coração de Deus
A fim de extrair dele o segredo da ternura.
Todos os que te olham pensam logo em mim,
Todos os que me olham pensam logo em ti.
Eu sou tua cicatriz que nunca se há de fechar.
Eu te perseguirei até depois da minha morte
E virei a ti no murmúrio dos ventos, no lamento das ondas,
Na angústia e na alegria dos poetas meus sucessores,
Nas almas grandes limitadas pelo físico.
Sentado nas nuvens eternas eu te esperarei
E me nutrirei através dos tempos da nostalgia de ti.

Sua mãe é uma das mulheres mais lindas e engraçadas que eu conheço.
E eu arrepio seu cabelo quando ela está distraída, porque fica muito mais bacana.
Bem-vindo, Matheus. A gente já adora você.
Você sai de perto, eu penso em suicídio (mas no fundo eu nem ligo).

Cazuza

27.10.10

Beckham de novo. Agora sem rugas. Rs.
Porque hoje eu tô achando ele o cara.

recado pra você que passou três horas pintando a cara: os homens são daltônicos! brincadeira, mas se não tem mancha de batom no dente, dificilmente ele vai perceber no seu rosto os 200 dólares em produtos comprados no freeshop.

para o cara tudo tem uma explicação científica, inclusive as cores do seu rosto: ta bronzeada, é reação alérgica, pressão baixa, machucou os olhos, tem cílios de árabe, ta com anemia… cor só dentro do contexto. os caras identificam as cores do seu time, dos times adversários, cores do trânsito e metálicas automotivas.

falando sério: só carregue na maquiagem se você for caixa de supermercado. ao invés dos 200, usa uns 20 dólares de produtos, que homem gosta mesmo é de cara limpa ou coisa parecida.

e o gloss? eu preciso falar do gloss. queria uma maneira sutil pra dizer PARA DE USAR ESSA PORRA! o gloss é a única coisa que o seu namorado tem certeza que você não pensa nele quando usa. decote e mini saia ainda é um tipo esquisito de homenagem ao macho acessório do seu lado, mas GLOSSSSS… essa coisa não atrai mosca?


http://vapelocara.tumblr.com/

A liberdade não é mulher que ande pelos caminhos, não se senta numa pedra à espera de que a convidem para jantar ou para dormir na nossa cama o resto da vida.

José Saramago, em "Levantado do chão".
Catei no blog da Jô. Coisa linda.

Sem Cais
Caetano Veloso e Pedro Sá

Catei colo
E o mar parou
Fui deitando
Pra perguntar
Nome, bairro
Amigo, amor
De onde vem
Parar o mar
Seu sorriso
Bateu aqui
'Inda posso
Me apaixonar

Quero tanto
Quero tanto
Quero tanto
Quero tanto você
Mar aberto
Mar adentro
Mar imenso
Mar intenso
Sem cais
'Tou com medo
'Tou com medo
'Tou com medo
'Tou com medo de ver
Que 'inda posso
Que 'inda posso
Que 'inda posso
Ir bem mais

Barra, Gávea
E Arpoador
Deuses brancos
De luz do mar
Deuses negros
Um esplendor
Quem é essa
E o que será
Quem me dera
Eu poder me dar
Todo a essa
Que eu nunca vi

Quero tanto
Quero tanto
Quero tanto
Quero tanto você
Mar aberto
Mar adentro
Mar intenso
Mar imenso
Sem cais
'Tou com medo
'Tou com medo
'Tou com medo
'Tou com medo de ver
Que 'inda posso
Que 'inda posso
Que 'inda posso
Ir bem mais.
... and after all, you're my wonderwall.

26.10.10

Devagar com a louça que eu conheço a moça, vai devagar.
E eu conheço a moça, devagar com a louça
pra não errar.
Versão com rugas. A minha preferida.

25.10.10

A medida do amor é não ter medida.

Santo Agostinho

Eu experimento o futuro e você só lamenta não ser o que era.

22.10.10

'Cause you can't jump the track
We're like cars on a cable
And life's like an hourglass, glued to the table
No one can find the rewind button, girl
So cradle your head in your hands

And breathe, just breathe.

21.10.10


Demissão
José Saramago

Este mundo não presta, venha outro.

Já por tempo de mais aqui andamos
A fingir de razões suficientes.
Sejamos cães do cão: sabemos tudo
De morder os mais fracos, se mandamos,
E de lamber as mãos se dependentes.
O açúcar
Ferreira Gullar

O branco açúcar que adoçará meu café
nesta manhã de Ipanema
não foi produzido por mim
nem surgiu dentro do açucareiro por milagre.

Vejo-o puro
e afável ao paladar
como beijo de moça, água
na pele, flor
que se dissolve na boca. Mas este açúcar
não foi feito por mim.

Este açúcar veio
da mercearia da esquina e tampouco o fez o Oliveira,
dono da mercearia.
Este açúcar veio
de uma usina de açúcar em Pernambuco
ou no Estado do Rio
e tampouco o fez o dono da usina.

Este açúcar era cana
e veio dos canaviais extensos
que não nascem por acaso
no regaço do vale.

Em lugares distantes, onde não há hospital
nem escola,
homens que não sabem ler e morrem
aos vinte e sete anos
plantaram e colheram a cana
que viraria açúcar.

Em usinas escuras,
homens de vida amarga
e dura
produziram este açúcar
branco e puro
com que adoço meu café esta manhã em Ipanema.

17.10.10

Jamiroquai.
Toda mulher quer casar. Até as casadas.

Uma das pérolas da última Jornada da Escola Brasileira de Psicanálise.

Donde se sabe que homem é vírgula; mulher é ponto final

Xico Sá

Sim, homem é frouxo, só usa vírgula, no máximo um ponto e virgula; jamais um ponto final.

Sim, o amor acaba, como sentenciou a mais bela das crônicas de Paulo Mendes Campos: “Numa esquina, por exemplo, num domingo de lua nova, depois de teatro e silêncio; acaba em cafés engordurados, diferentes dos parques de ouro onde começou a pulsar…”

Acaba, mas só as mulheres têm a coragem de pingar o ponto da caneta-tinteiro do amor. E pronto. Às vezes com três exclamações, como nas manchetes sangrentas de antigamente.

Sem reticências…

Mesmo, em algumas ocasiões, contra a vontade. Sábias, sabem que não faz sentido prorrogação, os pênaltis, deixar o destino decidir na morte súbita.

O homem até cria motivos a mais para que a mulher diga basta, chega, é o fim!!!

O macho pode até sair para comprar cigarro na esquina e nunca mais voltar. E sair por ai dando baforadas aflitas no king-size do abandono, no Continental sem filtro da covardia e do desamor.

Mulher se acaba, mas diz na lata, sem metáforas.

Melhor mesmo para os dois lados, é que haja o maior barraco. Um quebra-quebra miserável, celular contra a parede, controle remoto no teto, óculos na maré, acusações mútuas, o diabo-a-quatro.

O amor, se é amor, não se acaba de forma civilizada.

Nem no Crato…nem na Suécia.

Se ama de verdade, nem o mais frio dos esquimós consegue escrever o “the end” sem uma quebradeira monstruosa.

Fim de amor sem baixarias é o atestado, com reconhecimento de firma e carimbo do cartório, de que o amor ali não mais estava.

O mais frio, o mais “cool” dos ingleses estrebucha e fura o disco dos Smiths, I Am Human, sim, demasiadamente humano esse barraco sem fim.

O que não pode é sair por ai assobiando, camisa aberta, relax, chutando as tampinhas da indiferença para dentro dos bueiros das calçadas e do tempo.

O fim do amor exige uma viuvez, um luto, não pode simplesmente pular o muro do reino da Carençolândia para exilar-se, com mala e cuia, com a primeira criatura ou com o primeiro traste que aparece pela frente.

E vamos ficando por aqui, pois já derrapei na curva da auto-ajuda como uma Kombi velha na Serra do Mar… e já já descambarei, eu me conheço, para o mundo de Paulo Coelho. Vade retro.

16.10.10

"We'll always have Paris".



Casablanca.
Winter just wasn't my season.

14.10.10

Sei de mim, cumpro.

Guimarães Rosa.

11.10.10

5.10.10

Eu admiro o que não presta, escravizo quem eu gosto
eu não me entendo, eu trago o lixo para dentro.

4.10.10

"Ela é uma péssima psicopata".

Preciso amar quem diz isso, não tem outro jeito.

1.10.10

Coração estranho, coração confuso, coração acelerado, coração ansioso, coração indeciso, coração que me pega sempre de surpresa.