21.2.06

**Os posts que estavam aqui foram censurados por um homem muito bravo.**

20.2.06

"Fico perplexa como uma criança ao notar que mesmo no amor tem-se que ter bom senso e senso de medida. Ah, a vida dos sentimentos é extremamente burguesa".
Clarice Lispector
.
Que difícil achar a medida.

15.2.06

O gigante
Tati Bernardi

Ontem eu ensaquei o Lorenzo, nosso filho que você me deu em uma das nossas milhares de brigas sem fim e sem jeito. Ele me olhou triste, passivo e impotente, assim como eu também olhei para ele e assim como tenho olhado para o mundo.
Dei um abraço forte no nosso urso cinza e chorei que nem uma criancinha de cinco anos que sofre porque está com rinite alérgica e tem que tirar os brinquedos de pelúcia do quarto. A realidade acabando com a brincadeira mais uma vez.
Depois foi a vez das fotos, eu beijei uma por uma e guardei numa caixa, coloquei a caixa num canto escondido e alto do armário, no mesmo canto escuro e esquecido por onde anda meu coração.
Olhei meu lindo vestido novo e pensei o quanto ele era feio porque eu nunca o colocaria para você. Olhei meus sapatos novos e pensei como seria triste usá-los sem nem saber direito para onde ir. Olhei minha velha cara no espelho e tive muita pena do quanto aquele rosto ainda ia esbugalhar os olhos para o teto lembrando que você disse que nunca desistiria.
Vira e mexe tenho essa vontade de cortar alguma parte do meu corpo, para ver se esguicho pra longe esse sangue contaminado que incha meu corpo de dor e me emagrece de vida. Tenho vontade de me fazer feridas porque parece mais fácil cuidar de um machucado externo e curável.
Outro dia desses eu estava numa padaria com um amigo e ele me perguntou se eu queria um chaveirinho de ursinho, eu disse a ele que só queria morrer, se ele poderia me fazer esse favor. Coitado, ele nunca mais ligou. Ainda bem, só você podia me dar chaveirinhos de ursinho, quem esse cara pensa que é?
Outro dia desses eu estava num bar com um amigo e ele começou a falar de todos os filmes, livros e músicas que eu tanto queria que você falasse. No final da noite eu só queria estar ouvindo aquela merda daquele cd do Alpha Blond, esses intelectuais de merda não chegam aos pés do seu sorriso e nunca vão ter de mim esse amor tão puro, tão absurdo e tão sem fim que eu tinha por você.
A fidelidade não é uma escolha e nem um sacrifício, ela é uma verdade. Por mais que eu tente, só sinto nojo. A gente não se fala mais, eu nem sei mais por onde você anda, eu até tenho o impulso de tentar de novo com outros homens, mas eu só sinto nojo.
A Lolita vive cheirando por baixo da porta e olhando triste para o interfone, outro dia minha mãe perguntou notícias suas e quando ela ouviu seu nome, enfiou a cabeça no meio das patas e só ficou triste, ela se parece comigo mesmo. Depois do passeio na Liberdade com meu amigo tem um encontro da mulherada no café alí do Itaim. Depois tem cinema com outra amiga e depois, se eu estiver a fim, uma baladinha na casa de outra. Eu tenho um milhão de motivos pra fugir de pensar em você, mas em todos esses lugares você vai comigo. Você segura na minha mão na hora de atravessar a rua, você me olha triste quando eu olho para o celular pela milésima vez, você sente orgulho de mim quando eu solto uma gargalhada e você vira o rosto se algum homem vem falar comigo. Você prefere não ver, mas eu vejo você o tempo todo.
Eu torço pra não fazer Sol, eu torço pra não chover, eu torço para acordar no meio do dia, eu torço para o dia acabar logo. Eu torço para ter alguma coisa que me faça torcer, que me diga que eu ainda sei torcer por algo mesmo sem torcer pela gente.
Minha dança é queda equilibrada, minhas roupas novas são fantasias, meu sorriso é espasmo de dor, minha caminhada reta é um círculo que sempre me traz até aqui, meu sono é cansaço de realidade, minha maquiagem é exagerada, meu silêncio é o grito mais alto que alguém já deu, minhas noites são clarões horríveis que me arregaçam o peito e nada pode me embalar e aquecer, o frio é interno, o incômodo é interno, nenhum lugar do mundo me conforta.
Minha fome é sobrevivência, minha vontade é mecânica, minha beleza é esforço, meu brilho é choro, meus dias são pontes para os dias de verdade que virão quando essa dor acabar, meus segundos são sentidos em milésimos de segundos, o tempo simplesmente não passa.
Às vezes tento não ser eu, porque se eu não for eu, eu não sentirei essa dor. Mas o amor é tanto que até as outras todas que eu posso ser também o sentem.
Hoje menos que ontem, amanhã menos que hoje, e por aí vai.
Vou implodir esse gigante dentro de mim e soltar seu pó a cada manhã sem fome que faz doer o corpo todo, a cada banho sem intenção, a cada tarde sem recompensas, a cada noite sem magia, a cada madrugada sem paz.
Um dia o gigante vai cair morto igual ao King Kong e chega dessa dor, dessa incerteza, desse silêncio, dos dias se arrastando, do ódio, das imagens doentias na minha cabeça, da saudade espada que furou meu centro e aumenta o diâmentro a cada movimento.
Só vai sobrar uma tristeza eterna em saber, como todos que já viram esse filme sabem, que o rei da selva, o dono do pedaço, o forte, o poderoso, o assustador, o monstro inabalável que bate no peito e destrói qualquer um, só queria ser amado pela frágil mocinha.
Daqui de longe, enquanto escrevo esse texto chorando mais do que cabe no meu rosto, ouvindo pela milésima vez a música do Damien Rice e sem vontade nenhuma de ter vontade nenhuma, eu escuto seu riso alto, exagerado e constante. E eu só consigo ter mais pena de você do que de mim.

12.2.06

Fernando tentando me conquistar novamente. Ganhou, claro.
.
POESIA NEO-CONCRETA DA DRI
Sinapse, Sinopse, Sinepse,
Canteiros de luz no japão
Caminhos de cor sem sentir
Palavras de amor na sarjeta
A Dri adora sua lambreta

10.2.06

Os Idiotas
Walter Salles
.
Praia de Lopes Mendes, Ilha Grande, domingo de manhã. Como é uma área de proteção ambiental, não há carros. Chega-se até ali caminhando por uma longa e bem-preservada trilha através da mata atlântica ou pelo mar, de barco. Por causa das férias escolares, há muitas crianças na areia. De repente, o cenário se transforma numa cena de "Apocalypse Now", de Francis Ford Coppola. Um helicóptero dá um rasante na praia. Depois chega outro, e logo mais um terceiro. Ferindo a lei, pousam ao lado da areia, perto de uma pequena igreja construída pelos pescadores da região -uma das únicas edificações da praia.
Os passageiros saltam. Você já os viu naquelas revistas que glorificam "celebridades". Caminham pela praia, dão um rápido mergulho, mas não ficam. Logo partem para atazanar uma outra freguesia, não sem antes darem novos rasantes na praia. O negócio não é desaparecer na geografia de um lugar. O negócio é ser visto.
Não interessam as tradições do local. Interessa, ao contrário, trazer consigo o mundo em que essas pessoas vivem. É um pouco como George Bush, da primeira vez que foi a Roma, já na Presidência do país mais poderoso do mundo. Levou toda sua comitiva para comer no McDonald's. Em Roma, como os americanos.
Ir à praia de helicóptero, no Brasil de hoje, não é uma exclusividade do litoral fluminense. Em Trancoso, na Bahia, um helicóptero pousou na semana retrasada em plena praia do Espelho, lançando areia sobre os banhistas que lá estavam. Saudável reação: foi apedrejado. Até na distante Barra Grande, península de Maraú, Bahia, helicópteros também começaram a pousar em área pública -as praias- pela primeira vez.
Num país em que o próprio presidente fala de leis que "pegam ou não pegam", pousar de helicóptero em locais proibidos pela lei pegou. Não é à toa, aliás, que helicópteros são expostos na Daslu, ao lado de calcinhas subfaturadas. Estão na moda.
Há algo de sintomático nisso. Em primeiro lugar, a já cansativa confusão entre o público e o privado, que, no Brasil, a cada ano se acentua. Hoje, o que é privado é defendido a unhas e dentes, atrás de vidros blindados, em ruas com cancelas e seguranças. O que é público é constantemente conspurcado. Não importa se uma praia é área de proteção ambiental. Pousa-se ali porque se quer e (não) se pode.
Sintomática, também, é a ausência de fiscalização por parte das autoridades competentes. Retrato de um país em que alguém vai preso por roubar um alicate em um supermercado, mas um ex-governador de São Paulo com centenas de milhões de dólares em contas-fantasmas no exterior está solto, comendo pastel em Campos do Jordão.
Houve um tempo em que se falava do Brasil como a Belíndia. De um lado, a Bélgica; do outro, a Índia. A Índia continua aí, a cada esquina. Ou, talvez, não mais, já que aquele país tem crescido a taxas duas vezes maiores do que as nossas. Investe pesadamente em educação, o que não fazemos. Por outro lado, também não faz mais sentido falar de Bélgica, cuja elite é certamente mais responsável do que a nossa. Na falta da Belíndia, talvez seja o caso de se falar hoje de Bahriti. De um lado, o Bahrein -com toda a sua exibição de riqueza. Do outro, o Haiti. Convenientemente, as nossas forças armadas já estão por lá.
Um economista do MIT, Lester Thurow, sustenta a tese de que "o que falta na América Latina é elite. O que existe é oligarquia. As oligarquias desfrutam ou herdam o poder, mas não entendem as responsabilidades públicas inerentes a ele". Ou seja: querem os privilégios, mas não os ônus. Querem a gravata da Gucci, mas não os impostos de importação, que se convertem em saúde, educação etc. Depois, reclamam da falta de segurança, da inoperância dos governos, apadrinham uma creche para apaziguar a consciência e, ato final, compram um helicóptero para sobrevoar os nossos Haitis.
São Paulo já é a segunda cidade com o maior número de helicópteros em operação no mundo, perdendo apenas para Tóquio, no Japão. Em parte, essa estatística se deve ao transito caótico das duas cidades, à extensão geográfica que ocupam, à falta de planejamento urbano. Presume-se, também, que muitos desses aparelhos sejam utilizados de forma correta -o que não elimina o problema criado pelos usuários que não agem dessa maneira.
Para finalizar: muitas vezes me perguntam por que o cinema brasileiro fala tão pouco de suas elites. A resposta é simples: porque não é fácil falar de classes dominantes tão caricatas. Pena que Buñuel não esteja mais entre nós. Nem Tomas Gutierrez Alea, cujo olhar cáustico também teria dado conta do recado. Sobra Lars von Trier, que fez um filme sobre um bando de pessoas que fazem de tudo para chamar a atenção. Chama-se "Os Idiotas".
O que eu aprendi com os meus ex namorados
Nina Lemos, do site 02 Neurônio

"É passado." Depois que ele falou isso, com aquela frieza macha que a gente bem conhece, decidi que a dor pode ser um pouco presente. Mas ele é passado mesmo. Então, comecei a lembrar o que eu aprendi com os meus ex namorados.
Aprendi muitas coisas. Com o primeiro, aprendi a andar de moto, na garupa, claro. E a me preocupar com homem drogado. Sim, era o primeiro!
Com um deles, aprendi coisas sobre bicicleta, ele era biker fanático. Até vi um vídeo sobre bicicleta. E fingi que gostei por um tempo.
(...)
Com um ex namorado muito do passado aprendi a gostar de REM (isso foi realmente uma coisa boa) e a ser a outra (isso foi realmente uma coisa ruim). Mas ele também me ensinou muitas coisas sobre o rock de Brasília.
Dois deles fizeram músicas para mim e eu virei musa.
Dois deles me pediram em casamento. Com um eu aceitei.
Um deles fez fotos lindas minhas pelada.
Um deles me ajudou a mudar os móveis da minha sala de lugar.
E eu, oras, o que será que eu ensinei para eles?
Que eu lembre, noções básicas de psicanálise e algo sobre educação infantil (não, não tenho filhos mas sou ótima com crianças, acreditem).
Ensinei para um que era bom ir a show de rock mesmo depois dos 30. Tentei ensinar todos a gostar de Chico Buarque e não consegui isso de nenhum. É triste, mas eu nunca tive um namorado na vida que gostasse tanto de Chico Buarque como eu. Ensinei alguns deles a gostarem do Xico (o com X).
Fracassei: Quando tentei fazer um largar as drogas, outro a parar de ser mágoa de caboclo e um deles eu tentei ensinar a amar romanticamente e com passionalidade. Fracasso retumbante.
Se eu fui útil? Acho que fui. Eles também foram. Mas não, nenhum menino me ensinou quase tudo que eu sei. Muita coisa eu aprendi sozinha. Como agora, em que aprendo a colocar ponto final.
"Amo o funk, mas acho que algumas coisas deixam a mulher muito vulgar. Se você paga motel para o seu namorado, tudo bem, mas não precisa gritar. A mulher, quando quis a independência, era pra ser realmente independente. Em vez disso, virou homem e ficou tão bruta quanto ele. Ninguém gosta de cabra-macho-sim-senhor. Faltou no funk uma pequena dose de elegância. Por que a mulher brasileira é muito elegante, olha aí a Gisele Bündchen. Tenho certeza de que ela não sai por aí de shortinho enfiado na bunda. Amo essas meninas do funk, adoraria falar isso pra elas, mas quem quer me ouvir? Pra elas, isso tudo pode ser um balde de merda. Mas eu já vivi bastante. Tomei muita porrada, fui mãe nove vezes".
.
Elza Soares, Revista TPM.

2.2.06

Ontem eu morri
De Milly Lacombe

Três coisas me deixam em pânico: a idéia de que eu um dia vou morrer, a idéia de que aqueles que eu amo um dia vão morrer e, acima de uma e da outra, a possibilidade real de topar com uma barata em algum canto da casa. Quanto à barata, não há o que fazer a não ser selecionar as companhias de vida eliminando do convívio aquelas incapazes de matá-las. Não existe, para mim, amor que resista à falta de disposição para tascar o chinelo no diabólico inseto (e, na sequência, me mostrar o cadáver – exigência que surgiu depois de ter sido enganada várias vezes). Mas, para tentar driblar esse paranóico medo de morrer não pude contar com a ajuda de terceiros. Fui então obrigada a desenvolver uma técnica que depois de um tempo se mostrou invejável: me convenci de que jamais morrerei. É muito simples, na verdade. Basta acreditar que a morte não existe e que, mesmo que alguns de seus entes queridos aparentemente já tenham sido supreendidos por ela, isso jamais acontecerá com você. Você dá à morte uma conotação parecida com aquela de ganhar na loteria: até sabe que alguns conseguiram, mas sabe também que isso jamais acontecerá com você. Funcionou perfeitamente. Até a semana passada.

Pobres daqueles que acham que a morte é um acontecimento único e derradeiro. Morremos um pouco a cada dia, a cada rompimento, a cada perda. Ontem, morri várias vezes. Morri quando abri a porta do armário e, lentamente, tirei dele minhas calças, camisetas, sapatos, casacos ... morri um pouco mais quando peguei meus livros e cds. Mais ainda quando fechei a mala e arrastei-a para perto da porta. Já cadáver de mim mesma, consegui morrer um pouco mais quando coloquei a mala no elevador e, sozinha, apartei o botão da garagem, que me levou ao subsolo da minha dor. Morri, e, morta, escrevo este texto. Morta, olho em volta e vejo vida. Vejo o sol, pessoas indo ao cinema, ao supermercado, ao shopping – ignorando minha condição.

Mas, ainda morta e respirando, percebo que nascemos um pouco quando o telefone toca e a voz do outro lado da linha, há pouco cheia de dor, transcende o próprio sofrimento e faz você rir e lembrar de uma época em que eram vivas e felizes. Faz você lembrar - em perfeitas cores, tons, cheiros - porque por ela se apaixonou perdidamente numa tarde de verão californiano. E nascemos um pouco mais quando nos damos conta de que estamos rindo de coisas que deveriam ser apenas tristes. Mas, mortas-vivas que agora somos, já não sabemos mais sobre essas patéticas regras mundanas e, assim, nos permitimos rir – e gargalhar – de nossa própria miséria. Juntas, como nos velhos tempos. Juntas, como um dia foi, e como para sempre será.

E nascemos mais ainda quando começamos a resgatar nosso passado, tão recente, cheio de cenas divertidas. Um pouco mais quando percebemos que tudo valeu a pena, que fomos felizes e que faríamos tudo outra vez, exatamente igual: mesmas lágrimas, mesmos encontros e desencontros, mesmos erros e acertos. E nascemos mais ainda quando nos damos conta de que não é preciso ter medo da morte, porque é ela, afinal, o grande segredo da vida.

E então entendo que o grande problema não é temer à morte, mas sim à vida. Medo de morrer é quase nada se comparado ao medo de viver, esse sim o grande vilão. E é assim, aos poucos, que vamos renascendo até que um dia, quando menos se espera, abrimos a janela para perceber que tem sol lá fora. E que a vida, finalmente, nos pegou pela mão outra vez. É esse o ciclo. E, a cada ciclo, uma outra jornada, agora cheia de novas referências, memórias, dores e prazeres. É assim que nascemos e morremos. Várias vezes.

Isso tudo para os que têm sorte, é claro. Porque os menos afortunados passam por aqui para morrer apenas uma vez. Pobres almas.