27.2.11


Sobre o amor ser tão difícil. E tão possível.

23.2.11







Irina Werning é o nome da fotógrafa que resgata fotografias antigas, encontra seus respectivos personagens e refaz as imagens. Fiquei tão emocionada...
Um pedacinho do trabalho sensacional do blog http://dinamicadebruto.wordpress.com/.

22.2.11


"Para lá de todas as coisas amáveis,
para lá de todas as coisas desejáveis,
a tua nudez na ponta dos meus dedos,
uma bola de fumo pairando sobre o piano
e cada poro teu tocado como se fosse
uma tecla, uma tecla emitindo o som
de cordas surdas, as tuas veias, cada
um dos teus nervos, e eu enredado
em ti como o insecto na teia da aranha,
para lá de todas as coisas definíveis,
os contornos do teu corpo à luz
de um tecido transparente, beleza
incomparável acossada pela fealdade
das notas, dos acordes atonais, para
lá de ti, para lá de mim, a paixão
capturada pelas máquinas fotográficas,
projectada numa tela à velocidade
iludente do cinema, para lá das salas,
para lá da luz, nós os dois denegridos,
deitados no quarto escuro da paixão."


"A Dança das Feridas" - Henrique Manuel Bento Fialho
Desculpe o auê
eu não queria magoar você.

20.2.11

I’m crazy, but you like it (loca, loca, loca). You like that it ain’t easy (loca, loca, loca).
Você e eu
Carlos Lyra, Vinícius de Moraes

Podem me chamar
E me pedir e me rogar
E podem mesmo falar mal
Ficar de mal, que não faz mal

Podem preparar
Milhões de festas ao luar
Que eu não vou ir
Melhor nem pedir
Que eu não vou ir, não quero ir

E também podem me intrigar
E até sorrir e até chorar
E podem mesmo imaginar
O que melhor lhes parecer

Podem espalhar
Que eu estou cansado de viver
E que é uma pena
Pra quem me conheceu
Eu sou mais você e eu

19.2.11

Aos ex-amores:
Obrigada. Mas vocês me deixaram terrivelmente mal acostumada.

18.2.11

"you said I was everything
but I am just a small part
of your everything
you want everything and me
I don't want your everything
you are my everything
but when I'm gone
I'll be the one
the smallest part
that will restrain you
from getting everything you want
and you'll have nothing"


Natvan Odiney.
"Se eu te amasse a horas certas,
abririas as pernas com menos cuidado?
Se eu começasse sempre pela língua,
julgar-me-ias menos bruto?
E se eu não te mordesse o pescoço,
acaso continuarias a cravar-me as unhas nas costas?
Se eu não apagasse a televisão. adormecerias aconchegada à minha cintura?
Se eu tomasse banho depois de fornicarmos,
julgarias o acto mais higiénico?
Se em vez do silêncio depois do orgasmo
passássemos a ter uma confissão no olhar,
perdoar-nos-ia deus o desperdício?
Já agora diz-me: se não dependêssemos
um do outro, como é que explicarias
o teu cheiro nas minhas palavras?"


-"A Dança das Feridas" - Henrique Manuel Bento Fialho

17.2.11

Tema e variações

Sonhei ter sonhado
Que havia sonhado.

Em sonho lembrei-me
De um sonho passado:
o de ter sonhado
Que estava sonhando.

Sonhei ter sonhado...
Ter sonhado o quê?
Que havia sonhado
Estar com você.
Estar? Ter estado,
Que é tempo passado.

Um sonho presente
Um dia sonhei.
Chorei de repente,
Pois vi, despertado,
Que tinha sonhado.

Manuel Bandeira
O guerreiro dos gramados
Sou cruzeirense apaixonado
E pra sempre vou te amar.

15.2.11

"Aqui digo: que se teme por amor,
mas que, por amor também,
é que a coragem se faz."

Guimarães Rosa

14.2.11

Sei lá, só sei que é preciso paixão.
Sei lá, a vida tem sempre razão.

11.2.11

... e algum trocado pra dar garantia
... e algum veneno antimonotonia
... e algum remédio que me dê alegria.
Tribunal de causas realmente pequenas
Pato Fu

Você pensa que faz o que quer
Não faz
E que quer fazer o que faz
Não quer
Tá pensando que Deus vai ajudar
Não vai
E que há males que vêm para o bem
Não vêm
Você acha que ela há de voltar
Não há
E que ao menos alguém vai escapar
Ninguém

Paro pra pensar
Mas não penso mais
De um minuto
Sem pensar em alguém
Que não pára pra pensar em ninguém

Você acha que eu tenho demais
Roubei
Você acha que eu não sou capaz
Matei

10.2.11

São Jorge, por favor, me empresta o dragão.

9.2.11

Ouve:
Como tudo é tranquilo e dorme liso;
Claras as paredes, o chão brilha,
E pintados no vidro da janela
O céu, um campo verde, duas árvores.
Fecha os olhos e dorme no mais fundo
De tudo quanto nunca floresceu.

Não toques nada, não olhes, não te lembres.
Qualquer passo
Faz estalar as mobílias aquecidas
Por tantos dias de sol inúteis e compridos.

Não te lembres, nem esperes.
Não estás no interior dum fruto:
Aqui o tempo e o sol nada amadurecem.

Sophia de Melo Breyner
You wanna a piece of me.