7.12.12

‎"A casa do Oscar era o sonho da família. [...] Mais tarde, num aperto, em vez de vender o museu com os cacarecos dentro, papai vendeu o terreno da Iguatemi. Desse modo a casa do Oscar, antes de existir, foi demolida. Ou ficou intacta, suspensa no ar, como a casa no beco de Manuel Bandeira. [...] decidi-me a ser Oscar eu mesmo. [...] Depois larguei a arquitetura e virei aprendiz de Tom Jobim. Quando a minha música sai boa, penso que parece música do Tom Jobim. Música do Tom, na minha cabeça, é a casa do Oscar". Chico Buarque.

19.11.12

‎"Não se vê por que a verdade seria sempre forçosamente benéfica. Só com o diabo no corpo é que se pode imaginar semelhante coisa, quando tudo demonstra o contrário". (Lacan, Seminário 17).

15.11.12

‎"[...] uma vez que ali se entra não se sabe aonde isso vai dar. Começa com as cócegas e termina com a labareda de gasolina". (LACAN, Seminário 17, 1969-1970).

14.11.12


Tava tudo tão facinho no rasinho, e eu, sem me dar conta, assim, fui indo. Eu te peço que se aproxime de mim um pouco, mas não tanto a ponto de eu sentir sua falta quando você for embora. Eu já sinto um calor de amor quando você chega aqui.

Meu coração não aguenta essa letra nessa voz e nesse sotaque. 



12.11.12

Quando temos o Atlético-MG como vice:
1. temos um campeão ainda na 35a. rodada;
2. não temos mais o Atlético como vice.
"Do lado da psicanálise, trata-se de estar pronto para acolher isto sem muita resistência: bem longe de demonizá-la e de rejeitá-la, receber a miséria do gozo produzido pelos efeitos da ciência". (François Ansermet). 
Raspas e restos me interessam.
"Se está amando, leve flores no domingo. Se ainda está em dúvida, leve flores no almoço de segunda. Se cometeu algum deslize, leve flores na véspera - é possível levar flores preventivas". Xico Sá e o tipo que ainda manda flores - inclusive preventivas.
Sei que amores imperfeitos
são as flores da estação.
Tom Jobim agora desfila um visual mais leve. 
Primavera-verão 2013.
"Dizer que 'não tem que jogar fora a água suja do banho' resume o percurso da experiência de uma análise levada a seu final lógico". (Vicente Palomera). 
Raspas e restos me interessam.

6.11.12

"Há quatro coisas, esqueci a quarta, ou não procuro me lembrar dela imediatamente, que não deixam vestígio: o pé da gazela no rochedo, o peixe na água e, o que nos interessa mais, o homem na mulher. O que se pode objetar, conforme o caso, vem a ser dito sob a seguinte forma, cuja importância conhecemos nas fantasias dos neuróticos: sim, uma doencinha de vez em quando". (LACAN, "Seminário 16").
‎"A psicanálise não é um saber do sexual. Quem foi que aprendeu, na psicanálise, a saber tratar bem sua mulher? Porque, afinal, isso é importante, uma mulher. Há uma certa maneira de pegá-la pelo lado certo, isso se segura na mão de uma certa maneira, com a qual ela não se engana. Ela é capaz de lhes dizer: você não me segura como se segura uma mulher". LACAN, "Seminário 16".
‎"[...] ousei escrever, em algum lugar, 'Freud e eu'. [...] Por que haveria algo de escandaloso, por parte de alguém que passou a vida inteira ocupado com a contribuição de Freud, em dizer 'Freud e eu'?". Lacan, "Seminário 16".

30.10.12


doente e contemplando a saúde

doente de qualquer coisa e contemplando a saúde
percebo como eram bons todos os órgãos
silenciosos em pleno funcionamento
como serviam pra tudo as pernas
e braços mesmo quando doíam
e como eram dóceis os ossos
e como eram fáceis

5.10.12

"Melhor um fim horroroso que um horror sem fim". Sem mais.

25.9.12

‎"Sempre é possível ficar com a perda em vez do gozo, a isso chamamos saudade". Marcus André Vieira.

19.9.12

"Pressão de adulto é quando a pressão ultrapassa o limite da criança, aí a gente adoece. Criança tem um limite diferente de pressão. Eu estava com a pressão da minha mãe, muito alta!". Psicanálise: reinventar o sentido.

18.9.12

Venha, por favor
Carpinejar

Eu espero alguém que não desista de mim mesmo quando já não tem interesse. Espero alguém que não me torture com promessas de envelhecer comigo, que realmente envelheça comigo. Espero alguém que se orgulhe do que escrevo, que me faça ser mais amigo dos meus amigos e mais irmão dos meus irmãos. Espero alguém que não tenha medo do escândalo, mas tenha medo da indiferença. Espero alguém que ponha bilhetinhos dentro daqueles livros que vou ler até o fim. Espero alguém que se arrependa rápido de suas grosserias e me perdoe sem querer. Espero alguém que me avise que estou repetindo a roupa na semana. Espero alguém que nunca desista de conversar mesmo quando não sei mais falar. Espero alguém que, nos jantares entre os amigos, dispute comigo para contar primeiro como nos conhecemos. Espero alguém que goste de dirigir para nos revezarmos em longas viagens. Espero alguém que confie se a porta está fechada e o café desligado, se meu rosto está aborrecido ou esperançoso. Espero alguém que prove que amar não é contrato, que o amor não termina com nossos erros. Espero alguém que não se irrite com a minha ansiedade. Espero alguém que possa criar toda uma linguagem cifrada para que ninguém nos recrimine. Espero alguém que arrume ingressos de teatro de repente, que me sequestre ao cinema, que cheire meu corpo suado como se ainda fosse perfume. Espero alguém que não largue as mãos dadas nem para coçar o rosto. Espero alguém que me olhe demoradamente quando estou distraído, que goste de me telefonar para narrar como foi seu dia. Espero alguém que procure um espaço acolchoado em meu peito quando cansada. Espero alguém que minta que cozinha e só diga a verdade depois que comi. Espero alguém que leia uma notícia, veja que haverá um show de minha banda predileta, e corra para me adiantar por e-mail. Espero alguém que ame meus filhos como se estivesse reencontrando minha infância e adolescência fora de mim. Espero alguém que fique me chamando para dormir, que fique me chamando para despertar, que não precise me chamar para amar. Espero alguém com uma vocação pela metade, uma frustração antiga, um desejo de ser algo que não se cumpriu, uma melancolia discreta, para nunca ser prepotente. Espero alguém que tenha uma risada tão bonita que terei sempre vontade de ser engraçado. Espero alguém que comente sua dor com respeito e ouça minha dor com interesse. Espero alguém que prepare minha festa de aniversário em segredo e crie conspiração dos amigos para me ajudar. Espero alguém que pinte o muro onde passo, que não se perturbe com o que as pessoas pensam a nosso respeito. Espero alguém que vire cínico no desespero e doce na tristeza. Espero alguém que goste de domingo em casa, de acordar tarde e de andar de chinelos, e que me pergunte o tempo antes de olhar para as janelas. Espero alguém que me ensine a me amar porque a separação apenas vem me ensinando a me destruir. Espero alguém que tenha pressa de mim, eternidade de mim, que chegue logo, que apareça hoje, que largue o casaco no sofá e não seja educada a ponto de estendê-lo no cabide. Espero encontrar uma mulher que me torne novamente necessário.

17.9.12

"Você diz que ama a chuva 
e fecha a janela.
Você diz que ama os peixes 
e você os come. 
Você diz que ama as flores
e você lhes corta os talos. 
Então você diz que me ama
e eu tenho medo." 

(Jacques Prévert).

16.9.12

O que eu fui

O que eu fui o que é?
Relembro vagamente
O vago não sei quê
Que passei e se sente.

Se o tempo é longe ou perto
Em que isso se passou,
Não sei dizer ao certo,
Que nem sei o que sou.

Sei só que me hoje agrada
Rever essa visão
Sei que não vejo nada
Senão o coração.

Fernando Pessoa

4.9.12


amor ou pena

ana guadalupe
sei que é amor
quando não sei se é pena

holograma de você aos 8 anos no pátio:
dá dó
pensar no copo de leite ou suco
que nunca compartilharemos
pois seria impossível
seus arquivos virtuais da última década:
quantidade moderada de pena
seus sonhos de sucesso e fama: dó
seus gostos e hábitos já surrados pelo tempo:
um pouco de nojo, um pouco de pena
seus 19 romances anteriores: uma pena
foto de festa da sua adolescência:
o resultado é um pouco de pena
de você em péssima forma
e de mim que não me chamei roberto ou rebeca
pra te conhecer naquele dia

24.8.12

Rita Apoena

"Essa casquinha fez uma ponte sobre a ferida porque
feridas abertas são como abismos por dentro."

"Vivo tão intensamente o momento presente
que quase chego atrasada ao momento seguinte."

"A gente dorme de olhos fechados
que é para poder sonhar por dentro, amor." 

"Quando você vai embora de nós
o pronome parte-se ao meio
você diz que só leva o s
e o que adianta?
se comigo sobra o nó
na garganta." 

“— E você, por que desvia o olhar?
(Porque eu tenho medo de altura. Tenho medo de cair para dentro de você. Há nos seus olhos castanhos certos desenhos que me lembram montanhas, cordilheiras vistas do alto, em miniatura. Então, eu desvio os meus olhos para amarrá-los em qualquer pedra no chão e me salvar do amor. Mas, hoje, não encontraram pedra. Encontraram flor. E eu me agarrei às pétalas o mais que pude, sem sequer perceber que estava plantada num desses abismos, dentro dos seus olhos.)
— Ah. Porque eu sou tímida.”

“Então você acha que eu, euzinha, 
vou deixar de amar 
ou levar abraços 
ou escrever uma cartinha colorida 
ou dar um presente e ligar no meio do nada 
ou amarrar nesta árvore um laço de fita 
ou esconder poemas em sua casa 
ou desenhar um mapa na minha barriga 
ou plantar um girassol na janela 
porque você já não me ama mais? 
E o que tenho eu a ver com isso,
se você já não me ama mais?”

“Eu sou contra a pena de lixo. Sou a favor da reciclagem. Afinal, o lixo também merece uma segunda chance.”

"Ela afundou o corpo nele o mais que pôde, como se assim pudesse aprisionar um instante, como se assim pudesse aprisionar o amor. E ele, querendo as respostas que a vida não lhe entrega e que só uma mulher é capaz de abrigar dentro de si, puxou os seus quadris com a ânsia de escorregar para dentro dela e ali ficar. Só uma fêmea é capaz de dividir-se assim ao meio: a metade de baixo a sobrepor-se forte, desfalecendo as resistências do macho e a de cima a ampará-lo doce, beijando e acarinhando os medos de um filhote".

inutilidades para o amor romântico

ana guadalupe
I
não sei o que fazer com você
chinelos de dedo decorados com miçangas
pequenos morcegos de crochê

II
não sei o que fazer com você
estampa pra camiseta, caneca, capa de caderno
onde errarei uma das letras do seu sobrenome
onde você não vai anotar suas coisas
coisa nenhuma
III
não sei o que fazer com você
embora pense nisso
antes de dormir e aos domingos
que é quando há tempo sobrando
eu poderia por exemplo
só me aproximar no quinto dia útil
ou esperar nossos quarenta anos
o que seria um ato heróico
considerando a rapidez dos novos tempos
poderia também desenvolver
melhor o texto das mensagens
e caprichar no mistério
sei que você aprecia um mistério
poderia muito bem fazer uns jogos
sumir durante um tempo e voltar em julho
mentir que viajei pelo mundo
em teoria voltei com novos olhos
com horizontes que aumentaram tanto
que estouraram
te mostraria então os restos dos meus horizontes
mas antes
poderia te encaixar em tarefas mais intrigantes
como a montagem de móveis
e a culinária para principantes
o incrível papel de escovador de dentes
antes de dormir e aos domingos
quando não sei o que fazer nem comigo
e quando é de costume voltar sem resposta
ao início

Vamos perder e retomar o contato
Ana Guadalupe

vamos perder o contato?
visto que não há motivo para mantê-lo
por meio de encontros e recados
se a cada dia acordamos outro
e não vamos manter nem em sonho
nosso outro de ontem
outrora foi mais fácil
cortar os laços todos
vamos retomar e perder o contato
só no arquivo permanente do passado
o outro ficará pra sempre lacrado
prêmio que apenas antecipamos
cromo raríssimo
pacote intacto

mapa de tesouro

menino vestido de pirata
eu sei que os carnavais
têm sua graça
por isso eu respiro
engraçado
quando te vejo
sinto meus braços
acenando para
navios parados


Ana Guadalupe

daqui a pouco

depois quando não existe
depois
não existe
só o agora continua insistente
se fosse um homem ou mulher de olhos grandes
o agora telefonaria muitas vezes
até que alguém atendesse
pra que a gente se gostasse no primeiro instante
e vivesse dias inteiros estragados por detalhes
aparelhos com defeito, despencamento de cabides
um amigo inconveniente, o gênero errado de filme
alergia a pólen
alergia a cabelos

Ana Guadalupe
Diego Sanchez

Mulher

Mulher, o mais terrível e vivo dos espectros,
Por que te alimentas de mim desde o princípio?
Em ti encontro as imagens da criação:
És pássaro, és flor, pedra e onda variável...
Mais que tudo, a nuvem que volta e se consome.
Dormir, sonhar - que adianta, se tu existes?
Se fostes forma somente! és idéia também.
Ah, quando descerá sobre mim a paz antiga.

Murilo Mendes

22.8.12


"É só que eu queria te acolher, sabe, moço. Para você se sentir mais à vontade no mundo, entendido, querido, desamarrado. Então, de repente, livrar-se de um clássico pensamento: “como é difícil ser eu”. 
Carolina Assunção. Daqui.
(e eu tinha passado o fim de semana todo comentando o quanto eu te acho foda, C4!).

21.8.12

Fernando Pessoa

O amor causa-me horror; é abandono,
Intimidade...
Não sei ser inconsciente
E tenho para tudo (...)
A consciência, o pensamento aberto
Tornando-o impossível.

E eu tenho do alto orgulho a timidez
E sinto horror a abrir o ser a alguém,
A confiar nalguém. Horror eu sinto
A que perscrute alguém, ou levemente
Ou não, quaisquer recantos do meu ser.

Abandonar-me em braços nus e belos
(Inda que deles o amor viesse)
No conceber do todo me horroriza;
Seria violar meu ser profundo,
Aproximar-me muito de outros homens.

Uma nudez qualquer - espírito ou corpo -
Horroriza-me: acostumei-me cedo
Nos despimentos do meu ser
A fixar olhos pudicos, conscientes
Do mais. Pensar em dizer - "amo-te"
E "amo-te" só - só isto, me angustia.

15.8.12

Do Carpinejar para a revista Capricho, alguns trechos de "Tudo o que você deve saber sobre um ex". 


— Ex é um vírus que compromete seu computador. Perderá os álbuns na web, já que inventou de tirar a maior parte das fotos com os rostos colados.  
— Ex é quando o "tudo bem?" deixa de ser um cumprimento para realmente soar como uma pergunta. 
— Ex se torna o mais simpáticos dos seres com o fim do namoro. Não esqueça: ele está fingindo. Mas tanto faz, vai doer igual. 
— Ex é repetir detalhes e palavras da despedida, mudando a ordem das frases e testando se havia alguma esperança do final ser diferente. 
— Ex é pensar pela primeira vez numa viagem longa para uma região remota em um trabalho voluntário.
— Ex é melhorar as amizades e piorar a relação com os pais e irmãos. 
— Ex é ter saudade de si. E raiva de qualquer outro aborrecimento menor. 
— Ex é sempre encontrar algo dele perdido em suas coisas, é sempre procurar algo seu que deve estar nas coisas dele.
— Ex é emagrecer em uma semana os quatro quilos que tentou durante o relacionamento inteiro.  
— Ex é voltar a se perguntar: Será que sou bonita? Será que sou inteligente? Será que beijo bem?
— Ex é nascer sozinha depois de morrer a dois.
Três coisas

Não consigo entender 
O tempo 
A morte 
Teu olhar 

O tempo é muito comprido 
A morte não tem sentido 
Teu olhar me põe perdido 

Não consigo medir 
O tempo 
A morte 
Teu olhar 

O tempo, quando é que cessa? 
A morte, quando começa? 
Teu olhar, quando se expressa? 

Muito medo tenho 
Do tempo 
Da morte 
De teu olhar 

O tempo levanta o muro. 

A morte será o escuro? 

Em teu olhar me procuro.
  
Paulo Mendes Campos

8.8.12

Ditirambo

Meu amor me ensinou a ser simples
Como um largo de igreja
Onde nem há nem um sino
Nem um lápis
Nem uma sensualidade

Oswald de Andrade

7.8.12



Orlando Pedroso
Orlando Pedroso
You ask me to enter, but then you make me crawl. I can't be holding on to what you've got when all you've got is hurt.



Is it getting better or do you feel the same? Will it make it easier on you now if you've got someone to blame? You said one love, one life, when it's one need in the night. One love, we get to share it. It leaves you, baby, if you dont care for it.
Did i disappoint you or leave a bad taste in your mouth? You act like you never had love and you want me to go without. Well, its too late tonight to drag the past out into the light. We're one but we're not the same, we get to carry each other, carry each other. One.
Have you come here for forgiveness? Have you come to raise the dead? Have you come here to play jesus to the lepors in your head? Did I ask too much, more than a lot? You gave me nothing, now it's all i got. We're one but we're not the same. Well, we hurt each other and we're doing it again.
You said love is a temple, love the higher law, love is a temple, love the higher law. You ask me to enter, but then you make me crawl. I can't be holding on to what you've got when all you've got is hurt.
One love, one blood, one life, you've got to do what you should, one life with each other: sister, brothers. One life but we're not the same, we get to carry each other, carry each other. 

One.

mau sinal no subsolo

mau sinal se aqui não chega
o calor que você dizia
enviar só pra mim
o roteador não tem nada
a dizer sobre os planos
largos acima dos cabos
ninguém pra arrombar as portas
trancadas dos carros
e destruir os anexos
que você dizia manter
só pra mim

Ana Guadalupe

Horrível letra de mão
Ana Guadalupe

quanto mais feia for a sua letra de mão
mais comoção devo sentir
em especial com as menores e mais redondas
deitadas como pedestre atropelado e deixado nas linhas
conhecidas como ‘letra do atrasado na escola’
ou ‘caligrafia de quem já nasceu com as teclas’
alguém que talvez precise usar régua pra alinhar as coisas
que talvez precise de ajuda e recuperação
que talvez precise de mim
talvez precise de mim
Sim.
Todos os poemas
São de amor
Pela rima,
Pelo ritmo,
Pelo brilho
Ou por alguém,
Alguma coisa
Que passava
Na hora
Em que a vida
Virava palavra.

Alice Ruiz

27.7.12


Jacques Lacan procurou introduzir a peste, a subversão e a desordem no âmago de um freudismo moderado do qual era contemporâneo. 

(ROUDINESCO, 2008)

- I live in Notting Hill. You live in Beverly Hills. Everyone in the world knows who you are, my mother has trouble remembering my name. 
- Fine... but the fame thing isn't really real, you know? And don't forget: I'm also just a girl, standing in front of a boy, asking him to love her.


Notting Hill «Im Just a Girl» film clip por Flixgr

26.7.12



Buquê de presságios, de Marcelo Montenegro

De tudo, talvez, permaneça
o que significa. O que
não interessa. De tudo,
quem sabe, fique aquilo
que passa. Um gerânio
de aflição. Um gosto
de obturação na boca.
Você de cabelo molhado
saindo do banho.
Uma piada. Um provérbio.
Um buquê de presságios.
Sons de gotas na torneira da pia.
Tranqueiras líricas
na velha caixa de sapato.
De tudo, talvez, restem
bêbadas anotações
no guardanapo.
E aquela música linda
que nunca toca no rádio.

25.7.12

Arte de Amar

Metidos nesta pele que nos refuta,
Dois somos, o mesmo que inimigos.
Grande coisa, afinal, é o suor
(Assim já o diziam os antigos):
Sem ele, a vida não seria luta,
Nem o amor amor.

José Saramago
Amei tanto (Vinicius de Moraes)

Nunca fui covarde
Mas agora é tarde
Amei tanto
Que agora nem sei mais chorar

Vivi te buscando
Vivi te encontrando
Vivi te perdendo
Ah, coração, infeliz até quando?
Para ser feliz
Tu vais morrer de dor

Amei tanto
Que agora nem sei mais chorar

Nunca fui covarde
Mas agora é tarde
É tarde demais enfim
A solidão é o fim de quem ama
A chama se esvai, a noite cai em mim
Subversiva
A poesia
quando chega
não respeita nada.
Nem pai nem mãe.
Quando ela chega
de qualquer de seus abismos
desconhece o Estado e a Sociedade Civil
infringe o Código de Águas
relincha
como puta
nova
em frente ao Palácio da Alvorada.
E só depois
reconsidera: beija
nos olhos os que ganham mal
embala no colo
os que têm sede de felicidade
e de justiça.
E promete incendiar o país.

Ferreira Gullar
A desconsoladora

Mulher, eu te procuro continuamente. É mais fácil achar Deus do que te achar.

Tenho por ti uma grande atração e repulsão - ao mesmo tempo.

Eu adormeço com teu amor e deperto com o ódio a ti. E te destruo e te construo a todo o instante.

Hás de me perseguir até a imortalidade. A paz da mulher não é a paz de Deus.

A mulher não é o amor. A poesia é o amor. A poesia da ausência da mulher é equivalente à poesia da posse da mulher.

Murilo Mendes
Aceitarás o amor como eu o encaro ?
......Azul bem leve, um nimbo, suavemente
Guarda-te a imagem, como um anteparo
Contra estes móveis de banal presente.

Tudo o que há de melhor e de mais raro
Vive em teu corpo nu de adolescente,
A perna assim jogada e o braço, o claro
Olhar preso no meu, perdidamente.

Não exijas mais nada.
Não desejo Também mais nada,
só te olhar, enquanto A realidade é simples,
e isto apenas.

Que grandeza... a evasão total do pejo
Que nasce das imperfeições.
O encanto que nasce das adorações serenas.

Mário de Andrade
Corpo

Adorei teu corpo,

Tombei de joelhos.
Escostei a fronte,
O rosto, em teu ventre.
Senti o gosto acre
De santidade
Do corpo nu.
Absorvi a existência,
Vi todas as coisas numa coisa só,
Compreendi tudo desde o princípio do Mundo.

Dante Milano
Há doenças piores que as doenças,
Há dores que não doem, nem na alma
Mas que são dolorosas mais que as outras.
Há angústias sonhadas mais reais
Que as que a vida nos traz, há sensações
Sentidas só com imaginá-las
Que são mais nossas do que a própria vida.
Há tanta coisa que, sem existir,
Existe, existe demoradamente,
E demoradamente é nossa e nós...
Por sobre o verde turvo do amplo rio
Os circunflexos brancos das gaivotas...
Por sobre a alma o adejar inútil
Do que não foi, nem pôde ser, e é tudo.
Dá-me mais vinho, porque a vida é nada.

Fernando Pessoa
Princípios

Podíamos saber um pouco mais
da morte. Mas não seria isso que nos faria
ter vontade de morrer mais
depressa.

Podíamos saber um pouco mais
da vida. Talvez não precisássemos de viver
tanto, quando só o que é preciso é saber
que temos de viver.

Podíamos saber um pouco mais
do amor. Mas não seria isso que nos faria deixar
de amar ao saber exactamente o que é o amor, ou
amar mais ainda ao descobrir que, mesmo assim, nada
sabemos do amor.

Nuno Júdice
Porque

Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão
Porque os outros têm medo mas tu não
Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.
Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.
Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.

Sophia de Mello Breyner
ninguém me canta
como você
ninguém me encanta
como você
nem me vê
do jeito
que só você
de que adianta
ter olhos
e não saber ver
ter voz
mas não não ter o que dizer
digam o que disserem
façam o que quiserem
ninguém diz
ninguém vê
ninguém faz
como você
ninguém me canta
ninguém me encanta
como você

Alice Ruiz
‎"Faça amor, não faça a barba"


Pra sonhar, Marcelo Jeneci



Quando te vi passar, fiquei paralisado. Tremi até o chão como um terremoto no Japão, um vento, um tufão, uma batedeira sem botão... foi assim, viu? Me vi na sua mão. Perdi a hora de voltar para o trabalho, voltei pra casa e disse adeus pra tudo que eu conquistei, mil coisas eu deixei só pra te falar: largo tudo se a gente se casar domingo. Na praia, no sol, no mar ou num navio a navegar, num avião a decolar indo sem data pra voltar, toda de branco no altar. Quem vai sorrir, quem vai chorar? Ave maria, sei que há uma história pra sonhar. 
O que era sonho se tornou realidade: de pouco em pouco a gente foi erguendo o nosso próprio trem, nossa Jerusalém, nosso mundo, nosso carrossel, vai e vem vai e não para nunca mais. De tanto não parar a gente chegou lá, do outro lado da montanha onde tudo começou quando sua voz falou: pra onde você quiser eu vou. Largo tudo se a gente se casar domingo. Na praia, no sol, no mar ou num navio a navegar, num avião a decolar indo sem data pra voltar, toda de branco no altar. Quem vai sorrir, quem vai chorar? Ave maria, sei que há uma história pra sonhar. Pra sonhar. 


obs: Um monte de gente se casando com essa música. Aí o clipe foi feito com várias imagens reais de casamento enviadas pra agência.

24.7.12

sossegue coração 
ainda não é agora
       a confusão prossegue 
sonhos afora

       calma calma 
logo mais a gente goza
       perto do osso 
a carne é mais gostosa



Paulo Leminski
coração
PRA CIMA
escrito embaixo
FRÁGIL


Paulo Leminski

21.7.12

Batidas na porta da frente: é o tempo. Eu bebo um pouquinho pra ter argumento, mas fico sem jeito, calado. Ele ri, ele zomba do quanto eu chorei, porque sabe passar e eu não sei. 

Num dia azul de verão, sinto o vento. Há folhas no meu coração, é o tempo. Recordo um amor que perdi, ele ri, diz que somos iguais, se eu notei, pois não sabe ficar e eu também não sei. E gira em volta de mim, sussurra que apaga os caminhos, que amores terminam no escuro, sozinhos. 

Respondo que ele aprisiona, eu liberto, que ele adormece as paixões, eu desperto. E o tempo se rói com inveja de mim, me vigia querendo aprender como eu morro de amor pra tentar reviver. 

No fundo é uma eterna criança que não soube amadurecer. Eu posso, ele não vai poder me esquecer.

"Resposta ao tempo", Cristóvão Bastos e Aldir Blanc.




Quem és? Perguntei ao desejo. Respondeu: lava. Depois pó. Depois nada.


Hilda Hilst

19.7.12

         essa idéia
ninguém me tira
          matéria é mentira



Paulo Leminski
    essa a vida que eu quero,
querida

          encostar na minha
a tua ferida



Paulo Leminski
        rio do mistério
que seria de mim
        se me levassem a sério?



Paulo Leminski
      Tudo o que eu faço
alguém em mim que eu desprezo
      sempre acha o máximo.

      Mal rabisco,
não dá mais para mudar nada.
      Já é um clássico.



Paulo Leminski
pelos caminhos que ando
 um dia vai ser
   só não sei quando



Paulo Leminski

14.7.12

‎... pense que eu cheguei de leve, machuquei você de leve e me retirei com pés de lã. Sei que o seu caminho amanhã será um caminho bom, mas não me leve.

Chico Buarque

13.7.12

www.opintinho.com.br

9.7.12



Não me ame tanto, eu tenho algum problema com amor demais, eu jogo tudo no lixo - sempre. Não me ame tanto, não posso suportar um amor que é mais do que o que eu sinto por dentro, penso. Desapego corretamente ou incorretamente, um sentimento mesquinho que eu sinto por dentro - tenso. Por isso não me ame, não me ame tanto. Pego tudo, o meu e o seu amor, faço um bolo de amor e jogo fora, ou como e gozo... dentro. Por isso, não me ame, não me ame tanto. (Karina Buhr)

8.7.12

Dizem-me: esse gênero do amor não é viável. Mas como avaliar a viabilidade? Por que o que é viável é um Bem? Por que durar é melhor que inflamar? (Schelling).

6.7.12

O consultório demonstra, os amigos afirmam e um dia a gente acaba acreditando: é impressionante o quanto os homens também sofrem por amor.

5.7.12


Fred Astaire (Clarice Falcão).


Deu pra escutar a canção que tocou pra gente e o meu coração que de repente inventou de sapatear? Ou eu fui louca e tudo foi um grande engano, e eu faço o plano e o contraplano de um filme prestes a acabar? Só pra saber: nesse tal filme de romance, antes que o público se canse você me beija no final? Um sim cai bem, mas não se sinta pressionado porque um beijo obrigado na tela imprime meio mal. Sem problema ser figurante da sua história. E, olha, nem força sua memória, nem nome eu preciso ter. Mas cuidado, me deixa no canto da sala que, se eu tiver alguma fala, eu mudo pra "eu amo você". 

1.6.12

"O coração é um músculo muito flexível".


Woody Allen, "Hannah e suas irmãs".

23.5.12

Pra eternizar, porque merece.



22.5.12



"Shame". Não é sobre sexo, é sobre o que não é amor.

15.5.12

E como ficou chato ser moderno. 
Agora serei eterno. 

(C. D. Andrade).
"Not everyone gets corrupted...you gotta have a little faith in people". 

do filme "Manhattan" (Woody Allen).
"... mas causou perdas e danos: levou os meus planos, meu pobres enganos, os meus vinte anos, o meu coração - e além de tudo me deixou mudo um violão".


Chico, sempre.
"Uma mulher pode relacionar-se com qualquer homem. Dizer que uma mulher é a sua é pura elucubração. Enquanto ela acreditar nisso, tudo bem". 


J-A. Miller