31.8.05

Uma das características que Rubem Braga exigia da mulher perfeita:

"Que no verão seja assaltada por uma remota vontade de miar".
É um amor impossível o de peixe e pássaro.
Nunca podem estar juntos.
O pássaro morre afogado na água.
O peixe morre afogado no ar.
Depois, peixe e pássaro não têm mãos para amar.
Não sei nada sobre o coração de peixe nem de pássaro.
Penso que devem ter muita esperança.

(Bartolomeu Campos Queiroz, em O Peixe e o Pássaro)
De quem é isso mesmo? Acho que da Regina Teixeira da Costa.


(...)
Quem é o neurótico? Alguém que enfrenta temerosamente as exigências da vida – e isto lhe suga a vitalidade, o consome, o cansa. Por isto suas escolhas são tímidas: não se encoraja a ousar muito. Para manter o equilíbrio na corda bamba em que atravessa a existência, busca o que é mais cômodo. Aquieta-se, e não sai à cata de novas e melhores formas. Espantado frente ao novo, devido à pobreza de seu repertório, ou por sua crônica falta de auto-confiança, ou por esperar sempre que se repitam as decepções, acaba se excluindo, ficando de fora ou deixando de fora.
Deixa passar boas chances de estabelecer relações duradouras de boa qualidade: perde o bonde, deixa passar o cavalo arreado. Continua vagando, solitário, sentindo-se vazio, carente e sedento de contato. Nada satisfaz, nunca encontra o preenchimento pelo qual anseia.
(...)
Às vezes, pede ajuda: busca a análise, a psicoterapia – raramente não sem antes ter buscado um remédio que lhe cure a cabeça que dói, o peito que aperta, as vísceras em fogo, o sono que não chega, o cansaço crônico. E – por que não? - que também leve embora essa tristeza que insiste em doer-lhe na alma.
Pretende-se, então, que ele faça contato afetivo com seu padecimento. Conhecer sua montagem e, a partir daí, modificar suas relações intrapsíquicas e interpessoais. Desconstruir a mitologização de seu passado, e dar-se chance de achar caminhos, abrir picadas, desbravar terrenos, criando novas possibilidades de solucionar, sair, evoluir. Espera-se que adquira condições de vir a se autoconhecer, se desenvolver e se sustentar emocionalmente, deixando para trás o cheiro bolorento e o peso inútil do passado que agrilhoa e cerceia. Colocar-se em marcha: a vida será o que fizermos dela.
Uma revolta
Clarice Lispector

Quando o amor é grande demais torna-se inútil: já não é mais aplicável, e nem a pessoa amada tem a capacidade de receber tanto. Fico perplexa como uma criança ao notar que mesmo no amor tem-se que ter bom senso e senso de medida. Ah, a vida dos sentimentos é extremamente burguesa.

PS: Já postei isso aqui? Não tenho mais paciência de procurar no arquivo inteiro deste blog. Fica combinado que quando eu publicar de novo alguma coisa, é porque gostei de novo dela.

Por não estarem distraídos
Clarice Lispector

Havia a levíssima embriaguez de andarem juntos, a alegria como quando se sente a garganta um pouco seca e se vê que por admiração se estava de boca entreaberta: eles respiravam de antemão o ar que estava à frente, e ter esta sede era a própria água deles. Andavam por ruas e ruas falando e rindo, falavam e riam para dar matéria peso à levíssima embriaguez que era a alegria da sede deles. Por causa de carros e pessoas, às vezes eles se tocavam, e ao toque - a sede é a graça, mas as águas são uma beleza de escuras - e ao toque brilhava o brilho da água deles, a boca ficando um pouco mais seca de admiração. Como eles admiravam estarem juntos! Até que tudo se transformou em não. Tudo se transformou em não quando eles quiseram essa mesma alegria deles. Então a grande dança dos erros. O cerimonial das palavras desacertadas. Ele procurava e não via, ela não via que ele não vira, ela que, estava ali, no entanto. No entanto ele que estava ali. Tudo errou, e havia a grande poeira das ruas, e quanto mais erravam, mais com aspereza queriam, sem um sorriso. Tudo só porque tinham prestado atenção, só porque não estavam bastante distraídos. Só porque, de súbito exigentes e duros, quiseram ter o que já tinham. Tudo porque quiseram dar um nome; porque quiseram ser, eles que eram. Foram então aprender que, não se estando distraído, o telefone não toca, e é preciso sair de casa para que a carta chegue, e quando o telefone finalmente toca, o deserto da espera já cortou os fios. Tudo, tudo por não estarem mais distraídos.
Hipótese
Carlos Drummond de Andrade

E se Deus é canhoto e criou com a mão esquerda?
Isso explica, talvez, as coisas deste mundo.
Voltando de outra temporada em Goiânia. E vendo tudo alegrinho de novo.

Momento
Adélia Prado

Enquanto eu fiquei alegre, permaneceram
um bule azul com um descascado no bico,
uma garrafa de pimenta pelo meio,
um latido e um céu limpidíssimo
com recém-feitas estrelas.
Resistiram nos seus lugares, em seus ofícios,
constituindo o mundo pra mim, anteparo
para o que foi um acometimento:
súbito é bom ter um corpo pra rir
e sacudir a cabeça. A vida é mais tempo
alegre do que triste. Melhor é ser.
Do blog Mothern, que eu adoro. Dá até vontade de ser mãe daqui a uns 20 anos.

Violência doméstica

Quando fiquei grávida da Gabi, Nina tinha 2 anos. Comuniquei:
- Nina, tem um neném na minha barriga.
- Eu vou bater nele.

14.8.05

Em minhas últimas brigas com meu namorado, tenho pedido sempre mais atenção. Mais cuidado. Mais carinho. Mais tudo. Enfim, estou uma chata. Achei um texto sobre mulheres que bancam as resolvidas e depois se fodem, e reproduzo aqui, por encontrar grande semelhança com minha situação atual.

O inferno é ser fodona
do site 02 neurônio
Este site é escrito por três mulheres fodonas. Sabe como é. A gente se vira sozinha, mano. Temos reuniões duras de negócios e colocamos o pau na mesa. Depois choramos, claro. Mas tomamos sozinhas o nosso banho quente e nosso calmante (seja ele qual for) depois e vamos em frente. Sabemos trocar a lâmpada. Tentamos arrumar sozinha nossos computadores. Quando não conseguimos, temos o telefone do homem do suporte e dinheiro para pagá-lo.
Nós, as fodonas, não temos muitos ataques de ciúme, porque já fizemos muitos anos de análise, sabe como é. Por isso, entendemos que o problema dos outros é dos outros. Aprendemos a segurar a nossa onda e sofremos de ciúme um pouco. Sem compartilhar com o objeto do ciúme.
Sim, porque as fodonas descobrem um dia que não é preciso falar tudo para o pretê, que a vida é nossa mesmo e que a gente está sozinha nessas.
A gente é fodona. E fodona chora muito, mas ninguém nem vê, nem precisa ver. Porque quando a gente chora a gente se esconde.
Depois de um ataque de choro na frente de um pretê a fodona decide não chorar mais na frente dele, porque talbez ele não entenda. Fodona sabe que melhor chorar na cama, que é lugar quente.
Fodona compra sozinha o próprio carro. Escolhe sozinha o próprio apartamento, o próprio médico, os amigos.
Fodona tem muitos amigos, mas não é amiga de qualquer um, sabe como é. Fodona geralmente é amiga de fodona. Fodona diz eu te amo para a outra fodona pelo telefone. Porque talvez só elas saibam o quanto é um saco ser fodona.
Principalmente quando o mundo é cheio de não fodonas que conseguem mais atenção e mais carinho.
Ser fodona e compreensiva é uma merda.