21.9.10

Tomei certa antipatia do Carpinejar, mas tem hora que só ele me entende.

Eu também fico intrigado com a separação amigável. É a que mais machuca na verdade. Porque não há catarse, explosão, exorcismo. É um acordo contido, vizinho de porta da indiferença. Aceitam que não deram certo e tomam caminhos contrários. Ajudam inclusive na mudança. Não se importam muito em perder o futuro a ponto de jorrar culpa e maldizer os bons modos. Quer algo mais irritante do que alguém educado numa despedida? A vontade é chacoalhar os ossos do vivente. Que seja cínico, nunca educado.
Chorar não significa remorso, a gente chora para atacar, para constranger, é uma violência, não há nenhum lamento.
Não concordo com sua teoria que é melhor acabar antes do ódio. Eu somente acabo quando odeio e ainda assim devoro todas as sobras, testo a paciência. Não deixo nada no prato, raspo com a colher. Odiar é uma rara chance de reconciliação. Vocês não foram nem capazes de se odiar, que amor é esse?

Um comentário:

Mariana disse...

fiz um post pra vc no meu blog, lembrando da nossa conversa de domingo em que falo da elegancia. eh minha reposta a seu post. beijos.