25.11.09

Desencontrários
Paulo Leminski

Mandei a palavra rimar,
ela não me obedeceu.
Falou em mar, em céu, em rosa,
em grego, em silêncio, em prosa.
Parecia fora de si,
a sílaba silenciosa.
Mandei a frase sonhar,
e ela se foi num labirinto.

Fazer poesia, eu sinto, apenas isso.
Dar ordens a um exército,
para conquistar um império extinto.

Nunca sei ao certo
se sou um menino de dúvidas
ou um homem de fé
certezas o vento leva
só dúvidas ficam de pé.

Um comentário:

júlia medeiros disse...

nossa, dri, adoro-adoro-adoro vir aqui no seu blog! o meu, finalmente, tem alguma novidade. dá um pulinho lá: www.palavroteca.blogspot.com beijos,júlia