29.1.10

Cruzando o paraíso

Xico Sá

Por ti chorei lágrimas de rodoviária, lágrimas com poeira de estrada perdida, lágrimas e poeira que viraram maquiagem de lama, tijolos d´alma, emendei lotações e fronteiras, gastei botas, máscaras, joelhos... e contei passos de crimes & castigos, por ti esperei em hotéis baratos do centro, porta aberta, mão no coração, faca no peito, por ti bebi como uma mosca caricata de boteco, fiz lirismos chinfrins em guardanapos, sempre começando assim “por ti” etc e algum verbo que representasse um esforço da porra ou o mais puro exibicionismo de uma dor tão gasta que nem já combinava mais com os meus drinques caubói nem muito menos com as minhas elegantes vestes rotas da mendicância, ah, o seu orgulho não vale uma canção triste de Roy Orbison.

Um comentário:

Anônimo disse...

vi você ontem com roupa de paraninfa e sorrisão lindo. se vc não for ao baile vou te buscar no hotel à força, quero muito matar as saudades. Não vale enrolar, faltar, não ir, dizer que não dá, que não pode, etc etc. Por favor!
Beijos super mega ultra, como diria você.
Nic.