29.11.08

Mocidade independente

Ana Cristina Cesar

Pela primeira vez infringi a regra de ouro e voei pra cima sem medir mais as conseqüências. Por que recusamos ser proféticas? E que dialeto é esse para a pequena audiência de serão? Voei pra cima: é agora, coração, no carro em fogo pelos ares, sem uma graça atravessando o Estado de São Paulo, de madrugada, por você, e furiosa: é agora, nesta contramão.

3 comentários:

Carol disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carol disse...

Um ato é sempre uma transgressão, já diria aquele francês lá.

Saudades de vc, moça bonita!

:)

Mariana disse...

dri, v tem msn?