9.10.09

Nada disfarça o apuro do amor
Ana Cristina Cesar

Um carro em ré. Memória de água em movimento. Beijo.
Gosto particular da tua boca. Último trem subindo ao
céu.
Aguço o ouvido.
Os aparelhos que só fazem som ocupam o lugar
clandestino da felicidade.
Preciso me atar ao velame com as próprias mãos.
Sirgar.
Daqui ao fundo do horto florestal ouço coisas que
nunca ouvi, pássaros que gemem.

2 comentários:

Sandra Timm™ disse...

Lindo, Dria!

O amor sempre nos dfaz pensar... e sonhar.

"Gosto particular da tua boca"... isso me remeteu à alguem tão em especial que até deu sauade...]

Bom feriado pra vc

Anônimo disse...

Ei Dri!
Tenho usado tantos disfarces...
Beijos e saudades,
Cris Barreto