28.2.07

Alberto Caeiro

(...)
Assim tudo o que existe, simplesmente existe.
O resto é uma espécie de sono que temos,
Uma velhice que nos acompanha desde a infância da doença.

Nenhum comentário: