21.2.07

Grude
Elisa Lucinda

As noites que não são contigo
eu não exatamente durmo, eu rolo.
Você não há
não há desenrolar de coxas,
colchas e entremeios.
Não há dobrar de joelhos
se não para rezar.
Então semeio
uma concórdia de lençóis
uma não solidão de cafunés
nos cangotes uma não masturbação.

Adormeço
Você é o cheiro que ficou de nós
eu respiro pós dos sonhos
eu latejo
eu planejo
eu oro.
As noites que não são contigo,
eu não exatamente durmo,
eu enrolo.

Um comentário:

Carol disse...

Dri, sem brincadeira, você lê meus pensamentos...
Beijão!