31.5.09

Aviso 
Lya Luft

e me quiserem amar, terá de ser agora:
depois, estarei cansada.
Minha vida
foi feita de parceria com a morte:
pertenço um pouco a cada uma,
para mim sobrou quase nada.

Ponho a máscara do dia,
um rosto cômodo e fixo:
assim garanto a minha sobrevida.
Se me quiserem amar, terá de ser hoje:
amanhã, estarei mudada.

Um comentário:

Lia disse...

Bem, amo esse poema, para ser sincera...amo pq penso muito parecido com ela.Dizem que nosso nome nos fornece 50% da personalidade.Creio que seja verdade, ainda não me identifiquei tanto com uma escritora quanto me identifico com ela.Maravilhosa escolha..parabéns!!!
Lia.