2.10.08

O pai do filho da Cristiana Guerra, publicitária de BH, morreu dois meses antes de o menino nascer. Ela escreve coisas absurdamente lindas sobre a experiência louca de perder um amor, ganhar um filho e transmitir a ele um pai.
Este texto eu posto pro Fer, que me deu bagagem pra entender o que ela diz.
..
Valores
Cristiana Guerra
.
De vez em quando ele fazia o carinho de colocar duas notas de cinqüenta no meu bolso, aliviando o meu fim de mês, mesmo que no próprio bolso sobrasse apenas uma. E ao ver minha expressão entre o alívio e a tristeza de chegar a esse ponto – não por ganhar pouco, mas por gastar muito –, citava a avó: "Senão o cachorro faz xixi no seu pé, amor." E assim ele me arrancava um sorriso. Também pude fazer por ele algumas vezes, e o fazia com prazer. No dinheiro também estava o amor. Um jeito bonito de misturar as coisas, preservando os desejos e escolhas do outro. Não era hoje eu, amanhã você, mas o correr natural dos gestos e a alegria de dar o amor na forma em que ele viesse: fosse em nota de dinheiro, beijo, telefonema ou pedaço de pão. Nunca, nunca vi seu pai me recriminar por alguma compra. Ao contrário, eu ia correndo mostrar cada peça especial que eu havia encontrado e ele me devolvia um elogio pelo bom gosto, um sorriso de me ver bonita porque aquela também era a minha forma de amor. Amor que não estava no quanto cada um ganhava ou no dividir ou não a conta. Nem na conta conjunta que nunca tivemos. Amor de estar ali ao lado sempre, num desejo só, e aí se incluem os desejos que são de cada um. Quase sempre dava pra viajar pra pertinho, pegar um cinema, tomar um vinho ou fazer um jantar simples, não importa de que lado ou dois ou quanto viesse o dinheiro. E se não houvesse nenhum dinheiro, juntos estávamos em uma de nossas casas. De geladeira vazia e sorriso cheio. Acho que fiquei mais generosa convivendo com ele. Sinto que você vai ser assim também. E vai poder dizer: "Aprendi com meu pai".

4 comentários:

Carol disse...

Vale chorar?

:)

Fernando disse...

Vale falar que receber de você um texto como esse não tem tamanho?
E que a paixão aqui é grande?

(E que, talvez, hoje eu coloque duas notas de cinquenta na sua bolsa?)

Te amo.

Anônimo disse...

Nossa, Dri, que emocionante.
E quando li que hj era dia de gente legal nesse blog, corri para fazer um comentário...e continuar legal pra você...rrs.
Saudades,
Cris Barreto

Joanna disse...

Usei, Drica!!!!
Lindo demais da conta!!! rs
Onde vc descobriu esta moça?

Bjos muitos , marcando presença nessas e em outras horas,

Jo
;)