23.6.09

Acho que sou eu. Espero que sim.
No blog dele. Muita saudade. E um amor que não tem fim e que é o amor mais incondicional que eu já senti na vida. Que é amor até quando está bravo ou triste. E que eu desconfio que seja amor pra sempre.

E um dia você chegou, rindo, trazendo Ferreira Gullar, Leminski e Lispector;
E trouxe um mundo maior do que mil pernas minhas;
E me provou que não é bom ser hermético, antipático,
Como uma daquelas latas de biscoito importado, mas cheia de angústia.

Você fundou em mim o cuidado,
E um amor que mais parece asma, de tão amor que é.

E até hoje eu me reprovo, e tento esconder minhas dores pra não te fazer doer.
Sem conseguir, encosto minhas costas nas suas torcendo pra você mudar de lado e me encontrar à sua espera, que é como estou desde que me lembro.

O mundo só me parece imenso porque você me mostrou que ele pode ser.
(Eu sei) ele não teria cor sem você.

Ou eu não teria sem você.

Nenhum comentário: